Cultura

Artes

Senac
  • Logo Senac Minas
  • Hotel Grogotó
  •  

Pintura - Século 18

© Henry Yu Santa Bárbara - Matriz de S. Antônio - Pintura Mestre Ataíde - Henry Yu Matriz de S. Antônio - Pintura Mestre Ataíde

Cenas da vida de Jesus Cristo, anjos, cenas bíblicas e santos dominam a temática da pintura mineira no século 18. A pintura esteve durante todo o serviço do sacro decorando os forros, altares e paredes de capelas e igrejas. São raríssimas pinturas com temas profanos como paisagens e retratos.


Os trabalhos executados na primeira metade dos setencentos são discretos, restritos a painéis para arcos cruzeiros e para  forros em caixotão. Praticamente, todos os trabalhos são de anônimos e poucos estão plenamente conservados. Ao longo do tempo, muitos desses trabalhos foram retocados.


Forros de Caixotão
Forro de caixotão foi o sistema utilizado pelas capelas e igrejas mineiras da primeira metade do século 18 para a forração e decoração dos tetos. Estes forros eram formados por painéis  emoldurados. A princípio, estas molduras eram simples e retas, depois, foram se tornando mais elaboradas em ótimos trabalhos de carpintaria. Hoje, são raros os forros originais, pois muitos foram reformados no princípio do século 19.


As principais pinturas até a década de 40 foram executadas para esses forros em caixotão. As temáticas são coerentes, mas independentes entre si. 


Bons exemplos de forros de caixotão com  moldura simples e reta são:

Capela Nossa Senhora do Ó - Sabará
Temática: Ladainha de Nossa Senhora / Cenas da vida de Maria

Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição - Sabará
Temática: Ladainha de Nossa Senhora / Cenas da vida de Maria

Igreja Matriz de Santo Antônio - Tiradentes
Temática: símbolos relacionados ao Antigo Testamento

Igreja Nossa Senhora do Rosário - Tiradentes
Temática: os mistérios do rosário.
Pintor: Manuel Vitor de Jesus

Igreja Matriz de São Bartolomeu - São Bartolomeu - Ouro Preto
Temática: anjos e santos.

Bons exemplos de forros de caixotão com  molduras trabalhadas são:

Igreja Matriz Nossa Senhora do Pilar - Ouro Preto
Temática: cenas do Antigo Testamento - 1768
Pintor: João Carvalhaes

Bons exemplos de pinturas em painéis parietais:

Capela Nossa Senhora do Ó - Sabará
Temática: cenas do Novo Testamento

Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição - Sabará
Temática: cenas do Novo Testamento


Igreja Matriz  do  Brumal - Santa Bárbara
Temática: Novo Testamento


Um destaque na temática das pinturas da primeira metade do século 18 foram as chinesices, temáticas orientais pintadas a ouro sobre fundo azul ou vermelho. Esses temas eram copiados das porcelanas chinesas que chegavam à Europa através do intenso comércio com o Oriente durante o século 17 e 18. Em Minas, as chinesices estão presentes na decoração de algumas igrejas e os melhores exemplos são os surpreendentes painéis do arco-cruzeiro da capela Nossa Senhora do Ó, na cidade de Sabará. Pagodes, aves do paraíso, barcos e chineses aparecem pintados sobre um fundo azul marinho. As figuras douradas sobre o fundo azul produzem um efeito notável. A Catedral da Sé, de Mariana, possui um belo painel na capela-mor, onde as figuras de fortíssima influência oriental, douradas, aparecem sobre um fundo vermelho.


Forros em Perspectiva –  Período áureo da decoração barroca
Por volta de 1735, começam a ser executados os forros em perspectiva barroca que têm na composição básica:

- medalhão com o santo padroeiro;

- imitação dos elementos arquitetônicos, colunas, arcos, balcões e púlpitos;

 - todos os espaços são preenchidos com elementos decorativos, tornando a composição compacta; e

 - cores escuras.


Bons exemplos desses forros em perspectiva são:

Capela Nossa  Senhora do Rosário (Pe. Faria) - Ouro Preto
Forro da capela-mor

Igreja  Nossa Senhora do Rosário - Tiradentes
Forro da capela-mor


Catedral da Sé
- Mariana
Forro da capela - mor -  1760
Pintor : Manuel Rebelo de Souza

Igreja Nossa  Senhora do Carmo - Diamantina
Forro da  capela-mor e nave - 1766
Pintor: José Soares de Araújo


Igreja Nossa senhora do Rosário
– Diamantina
Forro da capela-mor - 1779
Pintor: José Soares de Araújo


Forros em Perspectivas –  Período do Rococó
A pintura mineira alcançou o seu auge na segunda metade do século 18, além da qualidade que atingiu revelou excelentes artistas nativos. Nesse momento, acontece uma mudança estrutural dos forros, que deixam de ser divididos em caixotão para serem abobados. O artista ganha uma grande área para ser trabalhada. A técnica de pintura passa a ser o ilusionismo,  já consagrado na Europa.


Na colônia, Minas Gerais produziu as melhores obras da perspectiva barroco-rococó. São elementos arquitetônicos como colunas, arcadas, balcões e púlpitos pintados de maneira a criar a ilusão de que a arquitetura da igreja tem seu prosseguimento. Essa ilusão é complementada pela a presença do céu, no sentido de paraíso a ser atingido pelos fiéis. Assim, na composição básica dessas pinturas temos:


- Uma “moldura” com desenhos de pilastras, arcadas e ou púlpitos, onde, geralmente, se têm  anjos e ou santos.

 - Um medalhão central emoldurado por rocalhas traz em seu núcleo o santo padroeiro.   

 - Muitas vezes, o espaço é preenchido com cenas de céu com muitos anjos.

 - As cores são claras e vivas, as tonalidades preferidas eram ao azul, o branco, o vermelho e o rosa.

 - A decoração era complementada com o farto uso de guirlandas.


Bons exemplos de forros em perspectiva – período rococó são:

Igreja São Francisco de Assis - Ouro Preto  
Forro da nave - 1ª década do século 19 - Obra-prima da arte colonial  mineira e de Manoel da Costa Ataíde Temática: Nossa Senhora da Porciúncula circundada por anjos músicos, no medalhão central. Em  cada lateral, têm-se púlpitos com os quatro doutores da igreja.
Pintor: Manoel da Costa Ataíde


Basílica de Bom Jesus de Matosinhos
 - Congonhas
Forro da nave e da capela-mor - 1777 -1787
Temática do forro da nave: Santíssima Trindade, no medalhão central; ao redor,  preenchendo as arcadas, tem-se a vida de José do Egito.
Temática do forro da capela-mor: sepultamento de Cristo, no medalhão central; ao redor, preenchendo as arcada, tem-se a história de Davi.
Pintor do forro da nave: João Nepomuceno Correia e Castro.
Pintor do forro da capela-mor: Bernardo Pires.


Matriz de Santo Antônio
- Santa Bárbara
Forro da capela-mor - 1806
Temática: Ascensão de Jesus
Pintor: Manoel das Costa Ataíde


Matriz de Santo Antônio
- Itaverava
Forro da capela-mor - por volta de 1811
Temática: Santíssima Trindade coroando Nossa Senhora
Pintor: Manoel das Costa Ataíde


Igreja Nossa Senhora do Rosário
 -  Mariana
Forro da capela-mor - 1823
Temática: Assunção de Nossa Senhora
Pintor: Manoel da Costa Ataíde


Igreja Matriz de Santo Antônio
 - Ouro Branco
Forro da nave
Temática: Nossa Senhora, Menino Jesus e Santo Antônio
Pintor:  atribuição Manoel das Costa Ataíde


Igreja Nossa Senhora do Carmo
- Sabará
Forro da nave
Temática: Santo Elias subindo aos céus em uma carruagem de fogo
Pintor: Joaquim Gonçalves da Rocha


Igreja de Santa Luzia
 - Santa Luzia
Forro da nave
Temática: Assunção de Nossa Senhora


Matriz de Nossa Senhora da Pilar
- São João del-Rei
Forro da nave
Temática: Nossa Senhora
Pintor: atribuição Venâncio do Espírito Santo


Igreja São Francisco de Assis
- Mariana
Forro da nave
Temática:  arca de Noé e o dilúvio.
Pintor: Francisco Xavier Carneiro


Pintura de Cavalete
A  pintura de cavalete foi muito rara nas Minas Gerais. As obras mais significativas são de Manoel da Costa Ataíde. São elas:

Batismo de Cristo - Batistério da Catedral da Sé - Mariana.


Santa Ceia - Santuário do Caraça.


Santa Ceia e Crucificação – Igreja Bom Jesus de Matosinhos (São Miguel e Almas) – Ouro Preto.


Irmão Lourenço - Santuário do Caraça.


Nossa Senhora do Carmo entregando o rosário a São Simão Stock - Museu da Inconfidência - Ouro Preto.


Subida ao Calvário - Museu da Inconfidência - Ouro Preto.


Coleção de seis telas - Santo Inácio de Loyola, São Pedro Apóstolo, Santo Thomas de Aquino, São Francisco de Paula , São Nicolau Tolentino, São Camilo de Lelis – Museu MineiroBelo Horizonte.


Carnação
Uma técnica de pintura muito importante era a da carnação. Muitos pintores dominavam com perfeição essa técnica como, por exemplo, Mestre Ataíde. Como consta em vários recibos, foram realizadas inúmeras carnações para diversas irmandades e ordens terceiras. As mais famosas são as carnações que o Mestre executou nas figuras esculpidas por Aleijadinho para as três primeiras capelas dos passos em Congonhas.


A carnação era a “pintura cor de carne aplicada na parte desnuda do corpo das imagens. Pode-se falar em carnação do Cristo crucificado, São Sebastião, etc. Nesse processo, a pintura era geralmente feita a óleo e polida. Opõe-se ao estofamento a têmpera, técnica empregada para pintura dos demais elementos da imagem, como vestuário, barbas, cabelos, etc.” (Glossário de arquitetura e ornamentação).

Enviar link

© Maria Lucia Dornas Diamantina - Detalhe de pintura do forro da nave - Maria Lucia Dornas Detalhe de pintura do forro da nave
© Henry Yu Ouro Preto - São Francisco de Paula- Aleijadinho - Henry Yu São Francisco de Paula- Aleijadinho
© Henry Yu Congonhas - Anjo- Aleijadinho - Henry Yu Anjo- Aleijadinho
© Henry Yu Mariana - Det. pintura do forro da sacristia - Ig. S.F.Assis - Henry Yu Det. pintura do forro da sacristia - Ig. S.F.Assis
© Henry Yu Santa Bárbara - Detalhe do forro da Matriz de Sto. Antonio - Henry Yu Detalhe do forro da Matriz de Sto. Antonio
© Sérgio Freitas Tiradentes - Quadro de Santo Antônio - Sérgio Freitas Quadro de Santo Antônio
© Sérgio Freitas Tiradentes - Parede da Sacristia - Matriz de Santo Antônio - Sérgio Freitas Parede da Sacristia - Matriz de Santo Antônio
© Sérgio Freitas Tiradentes - Parede da Sacristia - Matriz de Santo Antônio - Sérgio Freitas Parede da Sacristia - Matriz de Santo Antônio
© Sérgio Freitas Tiradentes - Forro da nave da Ig. N.Sra.do Rosário - Sérgio Freitas Forro da nave da Ig. N.Sra.do Rosário
© Sérgio Freitas Ouro Preto - Forro da nave da Igreja de São Francisco de Assis - Sérgio Freitas Forro da nave da Igreja de São Francisco de Assis
© Maria Lucia Dornas Diamantina - Detalhe Forro Sacristia Igreja S.Fco de Assis - Maria Lucia Dornas Detalhe Forro Sacristia Igreja S.Fco de Assis
© Maria Lucia Dornas Diamantina - Forro Capela-mor Igreja N.S. do Rosário - Maria Lucia Dornas Forro Capela-mor Igreja N.S. do Rosário
© Maria Lucia Dornas Diamantina - Forro Capela-mor Igreja N.S. do Carmo - Maria Lucia Dornas Forro Capela-mor Igreja N.S. do Carmo
© Maria Lucia Dornas Ouro Preto - Detalhe Anjo- Ataíde - Ig. S.F. Assis - Maria Lucia Dornas Detalhe Anjo- Ataíde - Ig. S.F. Assis
© Maria Lucia Dornas Ouro Preto - Det. painel parietal- Ataíde - Ig. S.F. Assis - Maria Lucia Dornas Det. painel parietal- Ataíde - Ig. S.F. Assis
© Maria Lucia Dornas Santa Luzia - Detalhe pintura do forro do Santuário de S. Luzia - Maria Lucia Dornas Detalhe pintura do forro do Santuário de S. Luzia
© Maria Lucia Dornas Santa Luzia - Forro da nave do Santuário de Santa Luzia - Maria Lucia Dornas Forro da nave do Santuário de Santa Luzia
© Maria Lucia Dornas Mariana - Forro da capela-mor da Ig. N. Sra. do Rosário - Maria Lucia Dornas Forro da capela-mor da Ig. N. Sra. do Rosário