Cultura

Artes

Senac
  • Logo Senac Minas
  •  
  • Hotel Grogotó

08. Pintura

© Henry Yu Januária - Parque Nacional Cavernas do Peruaçu - Henry Yu Parque Nacional Cavernas do Peruaçu

Do Vale do Peruaçu a Carlos Bracher

A primeira manifestação artística do homem se encontra nas paredes das cavernas e podem ser encontradas em todos os continentes. Utilizando carvão e minerais triturados, o homem pré-histórico nos deixou uma série de desenhos que são conhecidos como pinturas rupestres. Diz-se  que a parede de uma caverna foi a primeira tela e o primeiro livro da humanidade. A fascinante atividade da pintura sempre teve destaque na história da arte mineira e sua primeira manifestação está espalhada por inúmeras cavernas em várias regiões do Estado. Minas Gerais possui um valioso acervo de pintura rupestre.


No final do século 17, a região das minas começa ser povoada e entre as primeiras construções estavam as capelas. Nelas estão as primeiras manifestações de pintura trazidas pelo colonizador. Técnicas de pintura, temas e a tradição cristã européia decoravam os templos mineiros. Na se metade do século 18, surgiu uma geração de pintores mineiros que revelou Manoel da Costa Ataíde como o grande mestre da arte colonial brasileira.


No século 19, a pintura como as outras manifestações artísticas, ficaram quase que esquecidas em Minas Gerais, com poucas oportunidades para o artista da terra. No final do século, a construção de Belo Horizonte proporcionou a construção de vários prédios públicos, mas os artistas contatados eram estrangeiros ou de outros estados.


No século 20, o primeiro impulso para as artes mineiras foi dado pelo fluminense radicado em Belo Horizonte, Aníbal Mattos, que, em 1918, fundou a Sociedade Mineira de Belas Artes. Em 1920, a audaciosa Zina Aita organizou a primeira exposição arte moderna de Minas Gerais.  A partir daí,  a pintura encontraria novamente espaço nas terras mineiras.


A década de 40 marcaria para sempre a história das artes plásticas mineiras. Em 1944, Alberto da Veiga Guignard, a convite do prefeito Juscelino Kubitschek, se transfere para Belo Horizonte, onde lecionou e dirigiu a Escola de Belas Artes. A Escola Guignard como hoje é conhecida, foi a responsável pela formação de várias gerações de pintores mineiros como: Maria Helena Andrés, Álvaro Apocalypse, Bax, Chanina, Ione Fonseca, Laetitia Reunault, Marília Gianetti, Mário Silésio, Sara Ávila, Wilde Lacerda, Wilma Martins, Yara Tupinambá e Farnese de Andrade.


A produção nas décadas seguintes foi farta em qualidade e quantidade, com os artistas mineiros conscientes do papel do artista na sociedade e inseridos nos principais movimentos de vanguarda.


Fernando Lucchesi, Marco Túlio Resende, Mônica Sartori, Oscar Araripe, Mário Zavagli, José Alberto Nemer, Fani Bracher e Carlos Bracher são pintores talentosos e premiados que, reconhecidamente, fazem parte da elite da arte contemporânea brasileira.

Enviar link

© Henry Yu Santa Bárbara - Detalhe do forro da Matriz de Sto. Antonio - Henry Yu Detalhe do forro da Matriz de Sto. Antonio
© Maria Lucia Dornas Ouro Preto - Detalhe Anjo- Ataíde - Ig. S.F. Assis - Maria Lucia Dornas Detalhe Anjo- Ataíde - Ig. S.F. Assis
© Maria Lucia Dornas Mariana - N S. de Nazaré - det. do forro - Maria Lucia Dornas N S. de Nazaré - det. do forro
© Oscar Araripe Tiradentes revisitada - Oscar Araripe Tiradentes revisitada
© Roberta Almeida Belo Horizonte - Obra de Maria Helena Andrés - Roberta Almeida Obra de Maria Helena Andrés
© Simone Bax Paisagem submersa - Ouro Preto - Artista:Bax - Simone Bax Paisagem submersa - Ouro Preto - Artista:Bax