Cultura

Manifestações Culturais Tradicionais

Senac
  • Logo Senac Minas
  • Hotel Grogotó
  •  

Dança do Pau de Fitas

A origem da dança do pau-de-fitas é muito antiga. Antes da cristianização do continente, dançava-se ao redor de uma árvore para comemorar o início da primavera. A coreografia ligada ao culto às árvores, muitos povos dançavam em torno delas, símbolos de fertilidade eram adornadas de várias cores.


Nada mais natural que chegasse ao Brasil com o colonizador português. Há registros da dança em todas as regiões do Brasil. No passado foram muito populares, estavam presentes nas Festas de Reis, Festa do Divino, Natal e Ano Novo.  Existe um registro datado 1894 do Monsenhor João Antônio Pimenta, relatando uma festa de Santo Izidoro, padroeiro dos lavradores, “onde dançavam congos, vilão e trança-fitas”.


Os nomes pelos quais é conhecida pelo país são: dança-da-trança, dança-do-mastro, pau-de-fitas ou trança-fita. Em Pernambuco e na zona rural de Varginha, MG, é chamada de vilão.


Em Minas Gerais ainda é dançada nas festas em louvor a Nossa Senhora do Rosário. 


Organização da Dança
Um mastro com cerca de três metros.


Fitas coloridas e bem longas são presas no alto do mastro

Participantes: no mínimo de quatro ou seis múltiplos. Geralmente dividido em números iguais de homens e mulheres

 

Cada participante segura uma fita e a dança evolui em uma translação em zigue-zague. Esse movimento produz a “trama” ou “tranças” das fitas. Quando não é mais possível o trançado, a dança continua para que a trama das fitas seja desfeita. 


Não há uma música em particular ou instrumentos. Acontecem variações de acordo com a região. Os instrumentos mais comuns são: violão, cavaquinho, pandeiro e acordeão.


Fontes
http://www.alumiar.com/
http://www.efecade.com.br/

Enviar link

© Marcelo Andrê Jequitiba - Dança das Fitas - Marcelo Andrê Dança das Fitas