Cultura

Regiões Culturais

Senac
  • Logo Senac Minas
  • Hotel Grogotó
  •  

Mineração

  • Nova Lima - Áreas de condomínios em Nova Lima - Maria Lucia Dornas
  • Ouro Preto - Bairro de Antônio Dias e Pico do Itacolomi - Divanildo Marques
  • Ouro Preto - Telhas coloniais - Maria Lucia Dornas
  • Ouro Preto - Casario de Ouro Preto  - Maria Lucia Dornas
  • Sabará - Chafariz do Rosário - Divanildo Marques
  • Mariana - Rua Direita e Catedral da Sé - Divanildo Marques

Aspectos relevantes que influenciaram na formação da cultura regional


Aspectos Físico-geográficos
Chão abrupto, clima frio e seco, grandes altitudes e vales profundos e estreitos.

Atividades auríferas e diamantíferas.

Com a decadência da exploração do ouro e das pedras preciosas, iniciou-se a exploração do minério de ferro e, em algumas áreas, desenvolveu-se a agricultura de subsistência.

Atualmente, vêm prosperando as indústrias, as atividades de agropecuária intensiva e a exploração aperfeiçoada de minérios.


Relevo
Do centro para o norte, destaca-se o Maciço do Espinhaço com importantes serras como: a do Curral, da Piedade, do Caraça, do Itacolomi, de Ouro Branco, do Itabirito, do Mascate, da Moeda e a do Rola Moça, todas na região denominada Quadrilátero Ferrífero. Mais ao norte, ainda no mesmo Maciço, destacam-se: a Serra do Cipó e a Serra do Itambé. Convém lembrar que o Maciço do Espinhaço termina na Bahia, com o nome de Chapada Diamantina.

Em direção ao sul do Estado, encontra-se o Campo das Vertentes, onde se destacam as Serras do Lenheiro e de São José.


Clima
Tropical de Altitude em maior parte da região


Vegetação
Matas Tropicais devastadas desde o período da mineração, Campos Sujos e Cerrado. Existem algumas Unidades de Conservação como o Parque Nacional da Serra do Cipó, Parque Natural do Caraça, Parque Estadual da Serra do Rola-Moça, Parque Estadual do Itacolomi, Reserva Biológica do Tripuí, Parque Estadual do Sumidouro, Parque Estadual da Baleia, Reserva Florestal Estadual Mata do Jambreiro, Floresta Nacional do Paraopeba, Floresta Nacional de Ritápolis e Floresta Estadual São Judas Tadeu.


Hidrografia
Bacia do Rio Doce, com destaque para o Rio Piranga e o Ribeirão do Carmo.
Bacia do Rio São Francisco, destacando-se os rios Paraopeba e das Velhas.


Aspectos Histórico-sociais:
A antítese é uma constante na personalidade do mineiro desta região:

A bondade natural herdada das singelas aldeias lusitanas contrasta com uma crueldade sem limites absorvida nas duras lutas empreendidas para conquistar as terras auríferas.

Uma aparência normalmente de inércia, mas que o faz ao mesmo tempo usar a expressão "dou um boi para não entrar numa briga, mas dou uma boiada para não sair."

É rústico por origem e acomodado devido ao ruralismo em que viveu depois da decadência do ouro. Por outro lado, é polido e gentil por causa de suas origens lusitanas (Lisboa, Porto e Coimbra).

É introvertido, recusa-se a ordens e não gosta de dar muitas explicações.

Em suas origens, encontramos uma população flutuante formada por biscateiros, oficiais, mecânicos, artesãos e comerciantes, principalmente de cristãos novos, escravos, indígenas, ciganos, etc.

Pelo fato de a exploração do ouro e do diamante ser um trabalho que exigia risco, tenacidade e esperteza, tornou-se, o mineiro, insubmisso e autônomo, criando uma sociedade progressista, populista, rebelde, mercantilista e capitalista.


Enviar link