Destinos

Entre Rios de Minas

Apresentação

  • Entre-Rios de Minas - Decoração Hosp. Cassiano Campolina - Rominho
  • Entre-Rios de Minas - Região de Entre Rios de Minas - Rominho
  • Entre-Rios de Minas - Centro Cultural - Rominho
  • Entre-Rios de Minas - Matriz Nossa Senhora de Brotas - Rominho
  • Entre-Rios de Minas - Interior da Ig. Matriz de N.S. de Brotas - Rominho
  • Entre-Rios de Minas - Interior da Matriz N.S. de Brotas - Rominho
  • Entre-Rios de Minas - Interior da Matriz de N.S. de Brotas - Rominho
  • Entre-Rios de Minas - Interior da Matriz de N.Senhora de Brotas - Rominho
  • Entre-Rios de Minas - Placa comemorativa - Rominho
  • Entre-Rios de Minas - Hospital Cassiano Campolina - Rominho
  • Entre-Rios de Minas - Entre Rios de Minas - Hospital Cassiano Campolina - Rominho
  • Entre-Rios de Minas - Decoração Hosp. Cassiano Campolina - Rominho
  • Entre-Rios de Minas - Pátio do Hosp. Cassiano Campolina - Rominho

Atualmente, como parte de sua memória histórica, o município preserva: algumas fazendas coloniais; uma antiga capela da primeira fase da arte colonial mineira - a Fazenda Olhos d’Água; as ruínas de uma antiga Casa de Pedra, datada de 1701, atribuída à bandeira de Fernão Dias; e potenciais sítios arqueológicos, decorrentes das tribos dos índios Catauá que habitavam a região.
 

A atmosfera de aconchego da cidade é proporcionada pelas ruas calmas, por alguns casarões ainda conservados, pela bonita Igreja Matriz de Nossa Senhora das Brotas, de influência neogótica, datada de 1928, e pelo belo prédio do Hospital Cassiano Campolina, construído em 1910. Lindas pinturas se sobressaem em alguns ambientes dessa arrojada edificação de linhas neoclássicas. A graciosa capela dedicada a Nossa Senhora das Dores já vale a visita ao hospital.
 

Entre Rios de Minas ficou conhecida por estar relacionada à criação e seleção dos cavalos da raça Campolina, criados sobretudo em Minas e muito apreciados em outros estados brasileiros. Por isso, dentre as fazendas do município, um destaque é a Fazenda do Tanque, situada a 15 km do centro e considerada o berço do Campolina. Foi nela, por volta de 1870, que tiveram início os cruzamentos com a tentativa de se apurar a raça, uma iniciativa do fazendeiro Cassiano Antônio da Silva Campolina por influência de cavalos trazidos por D. João VI para a Coudelaria Real de Cachoeira do Campo, distrito de Ouro Preto. Ao morrer, em 1904, Cassiano, mediante testamento, doou tudo o que tinha para a construção do famoso hospital da cidade que levou o seu nome. A sede da fazenda preserva um casarão construído no final do século 19 e áreas com reservas naturais que proporcionam bonitas paisagens.

 


Por ser um dos portões do Circuito Trilha dos Inconfidentes, é Entre Rios de Minas quem dá as boas vindas aos turistas que chegam à região a partir de Belo Horizonte.
 

O município tem suas origens no século 18, quando, em 1713, chegaram à região os portugueses Pedro Domingues e Bartolomeu Machado. Considerado o primeiro morador do local que já era uma paragem das bandeiras, Pedro Domingues recebeu do governador D. Brás Baltazar da Silveira uma sesmaria cujo documento continha a seguinte inscrição: “no caminho novo que vem da vila de São João del-Rei para as Minas Gerais, na paragem chamada o Bromado”. Este documento confirma sua inserção no contexto da histórica rota conhecida hoje como Estrada Real.
 

Depois, Bartolomeu Machado também construiu uma casa no lugar onde se encontra hoje a Fazenda do Engenho. Mais tarde, ele acabou erguendo uma capela em homenagem à Nossa Senhora das Brotas, em torno da qual surgiu o povoado do Bromado, que, posteriormente, teve seu nome mudado para Brumado do Suaçuí, assim permanecendo até 1878. Em 1875, foi elevado a distrito e, em 1953, à cidade, ganhando o nome de Entre Rios de Minas, por estar situada entre os rios Camapuã e Brumado.
 

O município possui também várias cachoeiras com poços que proporcionam ótimos passeios no verão. As principais são: a dos Coqueiros, a 12 km do centro, aproximadamente, e a do Gordo, a 18 km.
 

A economia de Entre Rios de Minas se baseia na pecuária leiteira, por isso, parte importante do comércio municipal gira em torno da cadeia produtiva do leite. Mas, ali, em pequena escala, além de uma excelente cachaça fabricada artesanalmente, são produzidos licores e doces caseiros feitos principalmente de frutos da terra. O artesanato consiste principalmente em: cestaria feita com cordas, cipós e taquaras; tecelagem em teares toscos com fios como fiado, barbante, lã e retalhos; trabalhos em palha de milho como bonecas, flores, tapetes, cachepôs e esculturas em madeira. Trabalhos manuais como crochê, bordados e artes plásticas também são realizados pela população.


Uma festa tradicional de Entre Rios é a de sua Padroeira, Nossa Senhora de Brotas, realizada no dia 15 de agosto. Uma semana antes, a imagem da Padroeira percorre as igrejas da cidade. No dia da festa, os fiéis reúnem as imagens de todas as igrejas, fazem procissão e celebram uma missa solene. Mas, é na última semana de julho, no seu Parque de Exposições, que Entre-Rios realiza seu mais famoso evento – a Festa da Colheita, uma tradição de mais de 40 anos. A festa começa na quarta com a entrada dos animais para a exposição, rodeios e shows; prossegue de quinta a sábado com barraquinhas e ordenhas para o concurso leiteiro; e termina no domingo com missa às 11 horas na Praça do Hospital Cassiano Campolina, bênçãos à comunidade, aos animais de raça e às sementes, e desfile dos carros de boi tradicionalmente enfeitados.

 

 

Enviar link

Região Turística
Central
  • Prefeitura
  • praça coronel Joaquim Resende, 69
    CEP 35490-000
    31  3751-1232


    Site Oficial


    Prefeito
    Maria Cristina Mansur Teixeira Resende
    Vice-prefeito
    Cristiano Carlos Cardoso

  • Cidades próximas:
  • Carmópolis de Minas
  • Congonhas
  • Conselheiro Lafaiete
  • São João del-Rei