Destinos

Parque Estadual da Lapa Grande

Apresentação

Municípios de abrangência
Montes Claros


Portaria

Estrada do Alfeirão, km 5 - Área rural


Distância de Belo Horizonte
450 km


Como chegar
A cidade mais próxima é Montes Claros, que já possui sinalização para o parque. Seguir pela avenida Deputado Esteves Rodrigues, depois pela rua Santa Maria, sentido Unimontes. Na sequencia, virar à direita, em direção ao bairro Barcelona Park, e seguir em frente, até o bairro Vila Atlântica. Na Vila Atlântica. Na Vila Atlântica, o visitante ainda terá cerca de 5 km de estrada de terra até chegar à entrada do parque.


Sede Administrativa
Funciona nas edificações da antiga Fazenda Lapa Grande e possui um centro de visitantes, com auditório e salas para a realização de atividades de educação ambiental, copa, sede administrativa, sanitários para uso público adaptados para cadeirantes.


Telefones: 38 3224-7550 / 9227-878
pelagrande@meioambiente.mg.gov.br


Infraestrutura
Interna
Centro de visitantes, alojamento institucional/pesquisador, sede administrativa e portaria


Entorno
O município de Montes Claros possui equipamentos de hospedagem, alimentação e compras.


Horário de funcionamento
De terça a domingo, das 8h30 às 16h. O último acesso pode ser feito às 15h30.


De terça a sexta, o atendimento será realizado apenas com agendamento prévio e somente para instituições de ensino, associações e ONGs. Aos sábados, domingos e feriados, o parque é aberto ao público em geral.


Há um limite de 200 visitantes/dia, 100 pela manhã e 100 à tarde.


Estacionamento gratuito


Área
80 km²


Criação
10 de janeiro de 2006


Objetivos
Proteger importantes áreas como: de transição entre o cerrado e a caatinga, complexo sistema cárstico que apresenta em sua extensão afloramentos rochosos de calcário, chegando a alguns casos, a mais de 1.000 m de altitude. Nesses afloramentos predominam diversas espécies de cactos e bromélias. A riqueza da flora aliada à existência de abrigos rochosos propicia o desenvolvimento de fauna significativa e de grande valor ecológico.


A biodiversidade é objeto de várias investigações científicas no parque envolvendo estudos tanto sobre a fauna quanto sobre a flora local.


Descrição
A área do parque é fundamental para o município, pois abriga mananciais responsáveis pelo abastecimento de aproximadamente 35% da população. Devido ao relevo constituído de rochas calcárias, os rios se infiltram no solo e reaparecem através de ressurgências.


A altitude do parque varia entre 650 e 1.009 m, e o relevo é caracterizado por maciços calcários, dolinas e sumidouros. O curso d'água principal é o córrego Lapa Grande também chamado de córrego dos Bois e córrego Pai João.


Dentre as mais de 50 cavidades registradas no parque, destaca-se a Lapa Grande, pelo fato de ser uma das maiores do local - com 2,2 km de extensão - e por sua importância histórico-cultural. Nos primórdios da história de Montes Claros, a Lapa Grande já possuía este nome e era conhecida e frequentada pelos moradores da região.


Clima

A região apresenta clima tropical semiúmido, com temperatura média anual de 24º C e índice médio pluviométrico anual de 1.074 mm. O período chuvoso ocorre no período de dezembro a março.


Vegetação
O parque abriga importante fragmento do cerrado, com árvores de caules tortuosos e folhas marrons escuras. Destaca-se também a mata seca, que cria duas paisagens distintas na estação seca e na chuvosa. Zona de transição entre o cerrado e a caatinga, a unidade apresenta espécies típicas como jatobá, pequi, angico, mangaba, aroeira, cedro e a caatinga, a unidade apresenta espécies típicas como jatobá, pequi, angico, mangaba, aroeira, cedro, barriguda, chicha, mutamba, entre outras.


Fauna
Entre as espécies raras, endêmicas e vulneráveis à extinção, destacam-se a onça-parda e o lobo-guará. No sub-bosque, onde há plantas de porte herbáceo e arbustivo, constatou-se a presença do gambá e do gato-do-mato, além de espécies de aves, tais como arapaçu-rajado,choca-barrada, papa-formiga-pardo, pula-pula e pipira-da-taoca.


Já na copa, que representa o extrato superior da vegetação, há registros de ocorrência frequente da coruja-do-mato, do pica-pau-bufador, da saíra-de-papo-preto e do chorozinho-de-chapéu-preto. Nos fragmentos de mata ciliar, foram observadas espécies de aves, como o sanã-carijó, o ferrinho-de-cara-canela, o chupa-dentes, o carretão e o pica-pau-verde-barrado.


Representando os mamíferos foi registrado o mico-estrela, o macaco-prego, o morcego-beija-flor e o ouriço-cacheiro.


O que ver e o que fazer


Área de convivência
Compõe-se de jardim com paisagismo, bancos e mesas para pequenas refeições e descanso, queda d'água artificial para contemplação e bebedouro.


Possui acesso à internet


Gruta Lapa Grande

Possui 2,2 km de extensão e é considerada uma das maiores do estado. Apresenta ornamentações de grande beleza, como estalactites e estalagmites. Nos primórdios da história de Montes Claros, teve grandes quantidades de salitre retiradas por exploradores.


Está bem próxima da sede do parque, com acesso fácil e entrada ampla. É obrigatório o acompanhamento de guia.

Tempo: 40 minutos
Grau de dificuldade: baixo


Lapa Pintada
Abrigo em forma de anfiteatro com mais de 40 m de altura. Nele, encontram-se pinturas rupestres de temática diversificada, a maioria de aves e mamíferos, além de desenhos de formas geométricas. Desse acervo pré-histórico, existe ainda uma gravura feita em baixo relevo.


As pesquisas científicas realizadas resgataram uma interessante variedade de vestígios, como cerâmicas, líticos (objetos de pedra), sepultamentos, ossos de animais, fogueiras e restos alimentares. Os vestígios arqueológicos encontrados no local são datados de mais de 8 mil anos. É obrigatório o acompanhamento de guia.


Tempo: 2 horas
Grau de dificuldade: médio


Rota para ciclismo
Possui 14.000 m de extensão e corta o parque, indo da portaria até a cancela dos pinheiros. É preciso realizar cadastro prévio no parque e assinar um termo de responsabilidade para percorrer a rota.


O cadastro dará uma licença ao visitante para realizar a travessia no prazo de um ano. As atividades de ciclismo devem ser realizadas exclusivamente aos sábados, entre 8h e 12h.

Tempo: 2 horas
Grau de dificuldade: médio


Trilha para Boqueirão da Nascente
Ao longo do percurso, observa-se a mata ciliar com grande variedade de espécies da flora regional. O rio Lapa Grande "Pai João" passa por dentro da gruta e pode ser observado ao longo da trilha. É obrigatório o acompanhamento de guia.


Extensão: 590 m
Grau de dificuldade: baixo


Trilha para a Gruta da Lapa Grande
Passa por um trecho onde corre um projeto de recuperação de área degradada. Nesse local, os monitores informam os visitantes sobre o uso anterior da área - para pastoreio do gado - e as técnicas e espécies utilizadas para a recuperação ambiental. Da trilha, avista-se maciços de calcário cobertos pela mata seca. Também é comum visualizar espécies de aves como o pica-pau bufador e o arapaçu-rajado. É obrigatório o acompanhamento de guia.


Extensão: 215 m
Grau de dificuldade: baixo


Trilha para a Ponte de Pedra

Possui 2.510 m de extensão. A ponte de Pedra é uma formação natural em arco e constitui referência histórica, pois funcionava como uma ponte natural sobre o rio Lapa Grande, usada por viajantes, tropeiros e pelos primeiros veículos que transitaram na região. Durante o percurso, avista-se espécies de aves como o pica-pau bufador e arapaçu rajado. É obrigatório o acompanhamento de guia.

Grau de dificuldade: médio.


Passeios nos arredores


Grutas da Claudina

Grutas em rocha calcária, na serra do Meireles, com grande beleza cênica. Entre as várias e preciosas formações dessas cavernas, destacam-se as represas travertinos, estalactites, nichos de pérolas, cortinas, helectites e outros.


Lapa dos Meireles
É uma das mais antigas grutas da região. Tem seu nome e história ligados ao "fantasma" do senhor Meirele, um fazendeiro que, no passado teria enterrado um vasto tesouro em seu interior, atraindo curiosos em busca de fortuna. Segundo a lenda, ao se aventurarem pelos labirintos da gruta, as pessoas se perdiam para sempre.


Lapa da Santa
No percurso dessa gruta, há vários trechos de curso d'água temporários que criam um ambiente de risco, com corredores e canis inundados e uma cachoeira de 15 metros. A cavidade apresenta formações de cavernas denominadas espeleotemas. Alguns raros, como flores de gipsita e calcita. A Lapa da Santa possui potencial para a realização de visitas técnicas de espeleólogos e pesquisadores, principalmente das áreas de morfologia, hidrogeologia e bioespeleologia.


Parque Municipal de Montes Claros
Possui área para piqueniques, lagoa com pedalinhos, restaurante, playground, quadras de esportes com chuveiro, pista de bicicross e patins.

Aberto diariamente. Das 7h às 18h. Entrada gratuíta

Endereço: avenida Pedro Augusto Veloso, s/nº , bairro Augusta Mota.


Órgão responsável pelo parque
Instituto Estadual de Florestas - IEF
Rodovia Papa João Paulo II, 4.143 - Serra Verde
1º andar do Edifício Minas Gerais - Cidade Administrativa
Belo Horizonte - CEP 31630-900
Telefones: 31  3915-1752 / 3915-1507

Diretoria de Áreas Protegidas
Telefone: 31 3915-1345

Diretoria de Unidades de Conservação
Telefone: 31 3915-1381


É bom lembrar que...
- Antes de percorrer trilhas, o visitante deve se apresentar ao centro de visitantes para receber instruções.


- O sol forte exige chapéu e protetor solar todo o tempo.


- O melhor período para visitação dos parques é de abril a outubro, quando chove menos.


- Alimentar é importante. Portanto, leve sempre na mochila: frutas, sanduíches, biscoitos e barras de cereais, alimentos nutritivos e práticos.


- As caminhadas longas exigem hidratação constante. Tenha sempre uma garrafa d`água mochila.


- Um calçado apropriado e confortável para caminhar (tênis ou bota) é item obrigatório.


- O melhor é evitar fumar em um parque. Mas, se o fizer, tome cuidado com seu cigarro, apagando-o depois de fumar.


- Nada se deixa em um parque. Todo o lixo deve ser coletado e disposto nos locais apropriados.


- Nada se leva de um parque. Animais, plantas, rochas, frutos, sementes e conchas encontradas no local fazem parte do ambiente e aí devem permanecer.


- Caçar, pescar e molestar animais silvestres é crime previsto por lei. Os animais precisam buscar seu próprio alimento para manter o ciclo de vida natural.


- Não é permitida a entrada de visitantes com plantas e animais domésticos, pois, podem causar problemas como a introdução de doenças e ameaças ao ambiente natural.


- Não é permitido praticar esportes motorizados, assim como abrir trilhas e atalhos.


- Com exceção da rota para ciclismo, nenhum das trilhas do parque pode ser feita de bicicleta.


- É importante levar algum lanche, pois o parque não dispõe de restaurante ou lanchonete.


- As áreas de visitação pública são restritas e, normalmente, possuem horários definidas. Nos parques estaduais existem restrições de uso de imagem. Consulte o IEF



Crédito do texto

Instituto Estadual de Floresta / Guia Parques Estaduais de Minas Gerais. Editora Horizonte. 2014. Instituto Estadual de Florestas-IEF / Núcleo de Resolução de Conflitos Ambientais / Ministério Público do Estado de Minas Gerais


Enviar link

Região Turística
Norte de Minas
  • Cidades próximas:
  • Bocaiúva
  • Coração de Jesus
  • Francisco Sá
  • Itacambira