Destinos

Floresta Nacional de Passa Quatro

Apresentação

  • Passa Quatro - Acauã - Herpetotheres Cachinnans - Henry Yu

Município de abrangência
Passa Quatro

Distância de Belo Horizonte
435 Km

Sede administrativa
Estrada do Tabuão, s/nº  - Caixa Postal 01 -  Passa Quatro
CEP: 37.460-000
Telefones:  35 3371-2220 / 3371-1356
flonapassaquatro.mg@icmbio.gov.br


Infraestrutura


Interna
Portaria, centro de visitantes, auditório, museu e biblioteca especializada em ciências ambientais.


Entorno
O município de Passa Quatro possui equipamentos de hospedagem, alimentação e compras.

Horário
Terça a sexta-feira
8h às 17h

Sábado, domingo e feriado
9h às 16h


Todo visitante que chega à Flona de Passa Quatro deve identificar-se na portaria.


Visita guiada
Instituições de ensino ou grupos específicos que desejam realizar visitação monitorada ou acompanhada por funcionário da unidade têm que agendar previamente com o Núcleo de Educação Ambiental.


Entrada gratuita


Área

335,37 hectares


Criação
Portaria nº 562 de 25 de outubro de 1968


Objetivos

Proteção da biodiversidade, especialmente das espécies endêmicas, raras, vulneráveis ou ameaçadas de extinção.

Pesquisa científica e experimentação florestal.

Conservação do ambiente natural.

Garantia da sucessão ecológica, permitindo que os ecossistemas atinjam o clímax.

Promoção da visita monitorada, educação e interpretação ambiental.

Monitoramento e fiscalização ambiental.



Descrição

Está inserido no domínio da mata atlântica, integrando o Corredor Ecológico da Serra da Mantiqueira e o Mosaico de Unidades de Conservação da Serra da Mantiqueira.

O município de Passa Quatro faz divisa pelo lado de Minas Gerais com: Itanhandu, Queluz, Marmelópolis, Virgínia e Itamonte. E com os municípios paulistas de Queluz, Lavrinhas e Cruzeiro.

Coordenadas geográficas
Latitude: 22º 23’ 08”
Longitude: 44º 56’ 49”


Relevo
A área é caracterizada por altas declividades, exceção para os terraços que se desenvolvem no extremo norte da Floresta, em relevo de planícies, e para trecho de relevo ondulado que marca parte da linha divisória entre o rio da Cachoeira e o ribeirão Carlos Tibúrcio, onde as declividades moderadas se rebaixam aquém de 20%.
Em resumo, as unidades de relevo são:
a)    morros de topos convexos e vertentes retilíneos – côncavas;
b)    morros de topos convexos  a aplainados e vertentes convexas;
c)    morros de topos convexos e vertentes convexas e retilíneas;
d)    maciço montanhoso alcalino;
e)    terraço alúvio-coluvionar dissecado


Clima

Caracterizado por temperaturas moderadas com verões quentes e chuvosos e invernos secos.


Vegetação
O parque está inserido no bioma mata atlântica. A vegetação pertence à formação floresta estacional semidecidual e floresta ombrófila densa e mista.


As florestas densas não permitem a utilização econômica das terras, tornando-as inadequadas ao cultivo proporcionando-lhes, ao mesmo tempo, preservação.


Originalmente, a vegetação predominante na área da Floresta caracterizava-se como área de tensão ecológica da floresta atlântica, envolvendo tipologias de floresta ombrófila densa, floresta estacional semidecidual e floresta ombrófila mista nos pontos de maiores altitudes.    Atualmente existem dois tipos de cobertura vegetal predominantes com araucária, pinus e eucalipto, remanescentes florestais da mata atlântica em diferentes estágios sucessionais, além de regeneração natural da floresta nativas no sub-bosque das florestas plantadas.


Algumas espécies arbóreas encontradas na Flona de Passa Quatro: aroeira, pombeiro, araticum, araticum-mirim, araticum-amarelo, araucária, candeia, caroba, ipê, ipê-amarelo, breu, pata-de-vaca, fedegoso, pau-d’óleo, embaúba, laranjeira-brava, falsa-espinheira-santa, jacarandá, cafeeiro, canela-preta, canela-sassafrás, maçaranduba, quaresmeira, angico, pinus, carvalho, jaborandi, goiabão e laranjeira-do-mato.


Hidrografia

A Floresta Nacional de Passa Quatro se insere na bacia hidrográfica do rio Passa Quatro, tributário formador do rio Verde, afluente do rio Grande.


Fauna
Alguns dos mamíferos que habitam a Floresta são: gambá-de-orelha-preta, catita, morcegos, mico-estrela, guigó, bugio, mico-dos-tufos-brancos, tamanduá-mirim, tatu-peba, tatu-galinha, cachorro-do-mato, lobo-guará, jaguatirica, suçuarana, veado, caxinguelê, rato-do-mato, rato-pitoco, ouriço-cacheiro, preá, paca e coelho.


Avifauna
Os destaques da avifauna: saracura-do-mato, murucutu-de-barriga-amarela, beija-flor-preto, beija-flor-rubi, joão-barbudo-rajado, pica-pau-rei, pica-pau-dourado, borralhara, trovoada, chupa-dente, choca-dente, pavó, tié-preto, saíra-douradinha, saíra-ferrugem, cigarra-bambu, tangará, jacuaçu, socozinho, urubu-de cabeça-vermelha, urubu-de cabeça-preta, gavião- carijó, carcará, carrapateiro, acauã, gavião-do-rabo-branco, seriema, quero-quero, jaçanã, asa-branca, fogo-apagou, rolinha-roxa, corujinha-do-mato, coruja-da-igreja, coruja-buraqueira e caburé.


O que ver e fazer
A Floresta oferece espaço propício para recreação ao ar livre e atividades educativas voltadas à conscientização ambiental e conservação dos recursos hídricos e da diversidade biológica.


O local também encanta os turistas pela beleza de seu paisagismo e pela organização e limpeza dos espaços destinados à visitação pública.


Completa a harmonia do lugar uma extensa área verde propícia para fazer piqueniques, ler um bom livro, meditar ou simplesmente descansar ao som e ritmo da natureza. Esta área possui dois lagos ornamentais, praças, jardins, quiosques, parque infantil e fonte de água potável. A unidade também possui um viveiro de produção de espécies florestais, sendo também considerado um belo atrativo. Percorrer os caminhos que levam a esses atrativos é mais uma das prazerosas atividades que os visitantes podem curtir. É possível adquirir mudas do viveiro.


Cachoeira de Iporã
O local proporciona um delicioso banho para revigorar as energias.


Normas de conduta da Flona Passa Quatro
Respeite as placas de sinalização;

Seja responsável pelo lixo que você gerar aqui, retornando-o consigo e destinando-o corretamente, ou deposite-o nas lixeiras que existem na unidade;

Deixe cada coisa em seu lugar: galhos de árvores, folhas, pedras, flores e outros elementos naturais podem estar servindo de abrigo para aves ou outros animais; deixe onde você os encontrou, para que outras pessoas também possam apreciá-los;

Observe os animais à distância: a proximidade pode ser interpretada como uma ameaça e provocar um ataque, mesmo por parte de pequenos animais. Além disso, animais silvestres podem transmitir doenças graves;

Deixe os animais domésticos em casa, pois podem causar problemas, como a introdução de doenças e ameaças ao ambiente natural;

Usufrua o local em silêncio, preservando a tranquilidade e a sensação de harmonia que a natureza favorece. Emitir ou usar aparelhos que emitem ruídos causam perturbações sonoras ao ambiente, e pode também atrapalhar os funcionários da FLONA durante a execução dos seus serviços;

Evite fumar e fazer fogueiras, elas representam uma grande causa de incêndios florestais e o fogo enfraquece e endurece o solo, além de matar todos os micro-organismos que são fundamentais para o desenvolvimento da vegetação. A madeira (galhos e troncos), as folhas secas e a palha caídos no chão possuem um importante papel na reposição natural de nutrientes no solo, assim como na manutenção da umidade essencial para a sobrevivência de muitos animais e plantas;

Evite arriscar mergulhos na cachoeira, pois pedras sempre se depositam no fundo do poço;

Pichar pedras, árvores ou construções constitui CRIME e são atitudes que afetam a qualidade das paisagens e, consequentemente, empobrecem a experiência das visitações;

A entrada e o consumo de bebidas alcoólicas não são permitidos.

Lembre-se: tire apenas fotografias, deixe apenas pegadas e leve apenas suas memórias.


É bom lembrar que
 
O sol forte exige chapéu e protetor solar todo tempo.

É interessante ter vários filmes extras à mão, pois não há onde comprá-los dentro das trilhas dos parques.

O melhor período para visitação dos parques é de abril a outubro, quando chove menos.

Leve sempre algo para comer na mochila. Frutas, sanduíches e barras de cereais são algumas sugestões de alimentos nutritivos.

As caminhadas longas exigem hidratação constante. Tenha sempre uma garrafa d’água na mochila. 

Um calçado confortável para caminhar (tênis ou bota) é item obrigatório.

Tome cuidado com seu cigarro, apagando-o depois de fumar.

Nada se deixa em um parque. Todo o lixo deve ser coletado e disposto nos locais apropriados.

Fonte:  Informativos do IBAMA

Enviar link

Região Turística
Sul de Minas
  • Cidades próximas:
  • Alagoa
  • Baependi
  • Caxambu
  • Cruzília
  • Itamonte
  • Itanhandu
  • Pouso Alto
  • São Lourenço
  • São Sebastião do Rio Verde
  • Virgínia