Turismo

Estrada Real

Senac
  • Logo Senac Minas
  •  
  • Hotel Grogotó

As Percepções Ecociclísticas e Fitoterápicas de um candeeiro de boi ao longo da Estrada Real - (Ex500)

'Todo jardim começa com um sonho de amor,
antes que cada árvore seja plantada, antes
que cada lago seja construído eles têm que
existir dentro da alma.
Quem não tem jardim por dentro, não cria
jardim por fora, e nem passeia por ele
.'

Rubem Alves

 

Para perceber ambientalmente a Estrada Real é necessário pedalar por suas trilhas graciosamente desenhadas por entre vales, encostas e cordilheiras de montanhas. É como se inserir por um imenso jardim em pleno outono tropical (abril de 2000), onde se observam inúmeras Quaresmeiras em flor, com os seus matizes de lilás, transmutando a alma, o amarelo das flores dos Faveiros e Aldargos. É preciso estar atento à imensa variedade e tonalidades de verdes da Mata Atlântica, contrastando com o branco das folhas de Embaúba.


Pode se saciar a sede em nascentes de águas cristalinas, mergulhar por rios de águas límpidas e sentir o cheiro doce de flores silvestres perfumando o seu caminho.


É possível também dormir em fazendas seculares de 'gente hospitaleira', saborear comidas preparadas em fogão à lenha, ou mesmo conhecer, ao vivo e à cores, plantas medicinais ainda não catalogadas pela fitoterapia.


Se você gostar mesmo de natureza, poderá abraçar ou contemplar um jequetibá gigante, mas serão necessárias 12 pessoas de mãos dadas para abraça-lo totalmente.

 

Ecoturismo "A ecosolução das Gerais"
A prática do ecoturismo desponta hoje como alternativa de desenvolvimento auto-sustentável, uma vez que contempla vários aspectos propostos pela Agenda 21.


Sabe-se que é perfeitamente possível fixar o homem no campo, (evitar o êxodo rural) fazendo de sua propriedade fonte de renda e de geração de emprego. Com isto, o ecoturismo estará contribuindo para o desenvolvimento das microrregiões, ao longo da Magnífica Estrada Real, revitalizando-a, oferecendo assim várias opções turísticas (cidades históricas, cachoeiras, cavalgadas, cicloturismo, caiaque, treking, rappel, etc), tudo isto com pouco investimento e uma boa dose de criatividade dos proprietários, e apoio institucional.


Optar por percorrer a Estrada Real de bicicleta, levou-me a resgatar memórias um pouco esquecidas de minha infância, vivida na Fazenda 'Canta Galo', localizada próximo ao longo e sinuoso vale do Rio Piranga (bacia hidrográfica do Rio Doce, município de Guaraciaba) no coração da Zona da Mata mineira.


Vários trechos da Estrada Real estão ainda em leito original, estreitos, sinuosos e apropriados ao tráfego de tropas de cavalos e carros de boi, e, porque não, de bicicleta. A minha percepção ecociclística me fez lembrar de maneira agradabilíssima a minha infância vivida na fazenda, onde pude ser o candeeiro do carro de boi. Guiar carro de boi, significa ir à frente da primeira junta de boi a conduzir os demais, pelas inúmeras encruzilhadas que adentram fazendas, casebres, lavouras e paisagens paradisíacas, ou simplesmente, transportar pessoas, mantimentos ou mesmo a doce rapadura ou açúcar mascavo a ser vendida nas cidades.


O bom candeeiro de boi deve observar tudo. É ele que escolhe o melhor lado da estrada, que, às vezes necessita parar o carro de boi para retirar uma madeira caída, que por ventura impedia a passagem do carro de boi nas delicadas e românticas estradas rurais que mais parecem alamedas, margeando matas, córregos e pastagens.


Baseado nas lembranças de menino criado em fazenda, pude relembrar que, na maioria das vezes, as doenças comuns aos adultos e crianças eram tratadas com plantas medicinais nativas ou cuidadosamente cultivadas em hortas.


O conhecimento popular das pessoas sobre plantas medicinais (verdadeiros sábios dos campos) sempre me causou fascínio, pois a Mãe Natureza fornece, através das plantas, a cura para todos os nossos males.


Por estes motivos decidi dedicar todo o meu tempo desta bela e riquíssima expedição nos Grotões das Gerais a conhecer e conviver com pessoas que se tratavam e curavam amigos, vizinhos e visitantes com plantas medicinais.


Se me perguntarem qual a melhor pesquisa realizada ao longo de toda a Expedição, confesso que terei dificuldade em escolher; pois aprendi muito com todas as pessoas que tive oportunidade de conversar. Mas, tem uma pessoa que particularmente me impressionou muito. Foi o trabalho realizado pela professora Margarida, moradora do distrito de Cachoeira, distrito de Casa Grande.


Esta simpática e dedicada 'pessoa" trabalha com o método denominado de 'diagnóstico biodigital'. O mais interessante é que quase todas as pessoas da sua comunidade são tratadas por ela, trabalho totalmente voluntário feito a qualquer pessoa que lhe procurar.


O diagnóstico biodigital é feito por ela e um auxiliar da seguinte maneira: ela usa um pedaço de arame de aproximadamente 10 cm em sua mão direita e o segura com o polegar e o indicador. Em seguida ela encosta este metal nos 7 chakras do corpo do paciente, a começar pelo chakra coronário. Sua mão esquerda fica estendida com o polegar unido ao indicador. O seu ajudante abre o anel formado pelos dedos polegar/indicador, que, dependendo da abertura conseguida, indica ou não a alteração do chakra em questão. Após a anotação do diagnóstico eles passam então a fazer a seleção de qual planta medicinal que a pessoa tem maior empatia, pois segundo ela, quanto maior a afinidade da pessoa com a planta, melhor será o resultado obtido. A escolha é feita da seguinte forma: o paciente segura a planta em sua mão direita e estende a mão esquerda formando o anel polegar/indicador. Ela então abre o anel e dependendo desta abertura será indicada a planta correta. Pessoas diferentes com o mesmo diagnóstico provavelmente usarão plantas diferentes.Tentarei agora reproduzir uma entrevista feita com 'ela' em abril de 2000.


- Margarida, boa tarde, meu nome é Artur Celso, sou professor, educador ambiental, e estou dedicando parte do meu tempo nesta expedição a conhecer pessoas que trabalham com plantas medicinais.
Gostaria que você se apresentasse e falasse um pouco sobre sua vida e o seu trabalho feito nesta comunidade.


- Boa tarde, meu nome é Margarida Maria de Oliveira, resido aqui, fui nascida e criada aqui em Cacique (distrito de Casa Grande). O meu maior amor é por esta comunidade, toda vida trabalhei por ela, sou vereadora a três mandatos, sou ministra da eucaristia, catequista e realizo uma série de trabalhos, pois a gente quando assume um compromisso de liderar uma comunidade, a gente tem obrigação de acompanhar esta comunidade. Não sou enfermeira, mas, acompanho os doentes, olhando pressão, aplicando injeção, tirando sangue, quando necessário, tudo voluntariamente.


- Então você não cobra nada das pessoas?


- Não, faço tudo voluntariamente. Sou cristã e na bíblia, em Eclesiastes, capítulo 38 versículo 4, há referências ao tratamento bioenergético com plantas medicinais.


- Então localiza e lê para a gente.


- 'Da terra o senhor criou os remédios e o homem de bom senso não os despreza' então a gente tá aí prá mostrar que a gente saiu da terra e temos que viver da terra e vamos voltar para ela. Nós temos um trabalho aqui também, com barro, argila... a gente não compra nem uma pomada prá tudo enquanto for machucado, o barro, cicatriza; ele puxa a infecção dentro da barriga . Se você tem um tumor dentro da barriga use a argila todos os dias que ele vai eliminando aquele tumor


- Você tem este barro aqui?


- Tenho, a gente arranca no barranco. É o barro virgem de olaria. A gente usa tudo isso, deixa guardado em casa na nossa farmácia. Por isso a gente não precisa ir comprar na cidade, graças a Deus.


- Margarida, como começou esta sua idéia de mexer com plantas medicinais?


- Aqui tinha um senhor chamado José Pio Diniz que comprava algumas fórmulas na farmácia e fazia os chás e ia pingando, fazendo suas fórmulas. Eu desde criança achava isto muito bonito, fui crescendo e me ambientei neste tipo de coisa, e depois procurei fazer este tipo de curso. Já fazem 2 anos que a gente trabalha com isto e tem dado muito certo. Já atendemos aqui umas 600 pessoas.


- Vem gente de fora consultar com você?

- Vem sim, de São João Del Rei, Lagoa Dourada, Conselheiro Lafaiete, Carandaí, etc. Já veio gente aqui até de São Paulo. Ele passou em Lagoa Dourada e ficou sabendo do nosso tratamento, que não é espírita, é mesmo tirado da bíblia e a gente trabalha aqui com muito amor.


- Tem que ter amor prá fazer este tipo de trabalho?


- Claro que tem,...sou professora e as crianças aqui na escola todo dia me perguntam assim: ô tia! que dia que nos vamos tomar chazinho? Então a gente faz uma panelada de chá e dá às crianças, pois não tem lombrigueiro melhor do que chá. A gente dá o chá e tem um regimezinho de não comer carne, porque a carne ajuda o verme a ser forte. As crianças que tomam chá estão crescendo mais. Temos também a multi-mistura que acaba com anemia. Ela é feita de folha de chuchu e folha de mandioca seca, que misturada à merenda escolar, ajuda a combater a anemia. Quando fico sabendo que tem idoso nas casas, vou lá, dou o chá e a multi-mistura.


- Então você faz um trabalho de agente de saúde?


- Pode-se dizer que sim.


- Margarida, quando eu cheguei aqui você me ofereceu um xarope muito gostoso de cor amarela, pra que foi feito aquele xarope?


- Aquele xarope foi feito para uma pessoa idosa que está bastante gripada. O Xarope foi feito com avenca, guaco, limão verde, folha de limão, eucalipto e um pouquinho de hortelã. O chá deve de ser feito em vasilha de vidro, esmalte ou louça. Coloca-se as ervas dentro de uma desta vasilhas despeja água fervendo e deixa em infusão por 20 minutos. Ai ele vai soltando aquela essência, depois temos que tirar a planta porque a planta recolhe toda a essência do chá. Depois de pronto a gente queima um pouco de açúcar com guaco e despeja sobre o chá, pois o xarope é melhor pode-se colocar alguns pingos de limão que é um santo remédio. Pode-se acrescentar também folha de assa-peixe.


- Margarida estou vendo aqui algumas plantas que eu conheço; por exemplo cordão-de-frade. Pra que você usa?


- A gente faz a união dos chás, pois um chá não é usado só para uma coisa, ele é para várias, por exemplo; ele é usado como lombrigueiro e fortalecer o organismo. Olhe aí nossa farmácia...o chá também deve ser feito depois da planta secar na sombra e colhido de manhã até as 10 horas. Olhe aqui a avenca, Cipó prata carrapixinho, carqueja, erva de lagarto, abacate, bardana, quebra-pedra, novalgina, hortelã, panacéia, chapéu-de-couro, mil-em-rama, acerola, assa-peixe, erva -pedestre, picão,solitária caroba, eucalipto, barbatimão, trançagem, ameixa, erva-cidreira, terramicina, salsa, cavalinha, guiné, e outros


Obs: As plantas são acondicionadas na própria sala de aula e os chás preparados na cantina da escola. Ela usa estas receitas como texto didático e ensina as crianças a fazerem os remédios caseiros.


- Quais são as principais doenças que você já tratou aqui?


- Diabete, osteoporose, nervo ciático, verminose, reumatismo, depois deles cansarem de gastar dinheiro com médico aí eles nos procuram e tomam os chás.


- Os medicamentos seus são cobrados?


- Não, são doados. A gente dá as plantas e às vezes o chá, tudo arrumadinho.


- Quantas pessoas você pode atender por dia?


- Só poso atender 3 a 4 pessoas por dia porque nós descarregamos toda nossa energia, porque tem pessoas que estão todas negativas e o nosso positivismo vai todo pra ela.pra gente recuperar esta energia abraçamos árvores, andamos descalço, andar descalço de manhã é muito bom para pressão, depressão, e circulação. Nós temos enfrentado também muito problema de depressão e verminose.


- Margarida, deixe aqui o seu recado aos meus colegas e amigos que um dia quem sabe irei mostrar isso.


- Vou ler uma poesia feita por um amigo da bioenergética:


'Uma energia diferente
só mesmo vinda de Deus
eis que surge de repente,
a curá dos males teus
É o bioenergético
movido pela força do amor
até o que está mais patético
se transforma como a flor
a tal medicina alternativa
sabe só fazer o bem
deixa toda gente na ativa
não desgraça a ninguém
a gente em favor da vida
dedicada ao serviço
por meio de tudo os convida
ao sincero compromisso
se surgir alguém a insulta
a eficácia de tal medicina
é desafiada a consultar
bons chás o transforma e fascina
verdadeiro médico o próprio deus
inventou folhas, ervas,raízes
e como funcionários seus
fazemos os podres mais felizes'


Logo após a entrevista perguntei a ela se podia divulgar seu endereço, o que de pronto foi autorizado, e com uma demonstração da coerência do seu trabalho, se prontificou a atender a todos que a procurarem.

Margarida Maria de Oliveira
Cachoeira de Casa Grande
CEP 36422
Fone 0xx31.3769.9011 (telefone comunitário)
Celular 9987.2235


Dicas da Margarida


1. O maior cuidado é o carinho com estes seres, pois as plantas nos auxiliam nesta vida terrena.


2. Sempre que puder passe a muda da planta para a terra, qualquer espaço no quintal ou jardim serve.


3. Se não existir quintal ou jardim você poderá cultivar suas plantinhas (dependendo da espécie) em vasinhos, mas nunca poderá faltar-lhe luz. Coloque-as onde possam receber a o máximo de sol. As ervas medicinais cresceram bem em uma atmosfera interna semelhante a ideal para os seres humanos, pois gostam deste contato.


4. Procure evitar terra industrializada, ou mesmo adubo químico; use terra de mata,adubo orgânico ou húmus de minhoca.


5. Observe sempre a coloração das folhas, se elas estiverem marrom ou murchando significa que estão com excesso ou falta de água. O equilíbrio da rega é importante.


6. Utilize sempre água limpa e de boa qualidade, A temperatura da água nunca poderá ser inferior a do ambiente; pois água muito fria prejudica o desenvolvimento das plantas.


7. Outro item importante é a poda que deverá acontecer quando a planta apresentar partes secas ou doentes.


8. Nunca coloque os vasos em correntes de ar, pois resseca as folhas novas e os brotinhos o que atrapalha o seu desenvolvimento.


9. Evite dar esporões ou arranco nos vasos ou na planta


10. Para cultivar espécies pequenas ou reproduzir mudas use vasinhos ecológicos. Cuidados Gerais com as Plantas Medicinais Em toda esta mágica Estrada Real pude rever inúmeras plantas medicinais e conhecer uma gama de "Tratamentos Alternativos" para todos os males, todos os gostos e tendências, tais como; hidroterapia (Caxambu), benzedores em Cruzília, Carrancas e Queluzito; tratamento fitoterápico e filantrópico com Irmã Francisca em Entre Rios; bioenergética em Lavras Novas, e diagnóstico biodigital com fitoterapia gratuita, sabiamente feita pela professora Margarida em Cachoeira, distrito de Casa Grande.

 

 

Enviar link