Turismo

Estrada Real

Senac
  • Logo Senac Minas
  •  
  • Hotel Grogotó

02. Estrada Real - Caminho Velho

As evidências históricas indicam que tenha sido a bandeira de Fernão Dias a expedição da qual resultou a abertura do chamado Caminho Velho, via de ligação entre as vilas paulistas do vale do rio Paraíba do Sul e os primeiros núcleos mineradores do que se conhecia à época como 'sertão dos cataguás', região indefinida que veio a constituir a porção central da capitania das Minas Gerais. Entre 1674 e 1681 a famosa bandeira varreu boa parte do atual território mineiro, fundando os primeiros arraiais da futura capitania e, literalmente, abrindo caminho para as jornadas que se seguiram.


Com a descoberta das primeiras reservas de ouro de aluvião nas bacias dos rios das Velhas, Doce e das Mortes, tornou-se esse o caminho utilizado pelas levas de aventureiros que acorriam à região das minas a partir dos núcleos urbanos paulistas. Logo se formaram, na rota do Caminho Velho, as primeiras vilas do ouro: a Vila Rica de Nossa Senhora do Pilar (Ouro Preto), a Vila do Ribeirão de Nossa Senhora do Carmo (Mariana), a Vila Real de Nossa Senhora da Conceição do Sabará, a Vila Nova da Rainha (Caeté) e a Vila de São João del-Rei


O Caminho Velho foi, na fase inicial das descobertas auríferas, a principal rota de chegada e de abastecimento da região das minas. Conectando as vilas paulistas - São Paulo de Piratininga, Mogi, Jacareí, Taubaté, Pindamonhagaba e Guaratinguetá - e os portos do Rio de Janeiro e Parati à primeira zona mineradora, o caminho logo se tornou uma via larga e movimentada, percorrida incessantemente por forasteiros, tropas de muares, comboios de escravos e boiadas. Além dos bois, cavalos e muares vindos do extremo sul da colônia, circulavam pelo Caminho Velho os produtos enviados diretamente das vilas paulistas: gado bovino, toucinho, aguardente, açúcar, milho, trigo, marmelada, frutas, panos, calçados, drogas e remédios, algodão, enxadas, almocafres e artigos importados, como o sal, armas, azeite, vinagre, vinho e aguardente do reino.


Texto de Márcio Santos - Pesquisador de rotas antigas, autor de Estradas Reais - Introdução ao estudo dos caminhos do ouro e do diamnte no Brasil, licenciado em Filosofia, especializado em Formação Política e Econômica da Sociedade Brasileira, consultor em Direitos Humanos da Assembléia Legislativa de Minas Gerais.

Enviar link