Parques

Parque Estadual do Pico do Itambé

O sapinho das bromélias

Em 2011, uma espécie de sapo do tamanho de uma unha, 11 mm foi descoberta por acaso. Em uma expedição pelo parque, enquanto investigava a influência da altitude na distribuição dos anfíbios, a bióloga Izabel Barata, do Instituto Biotrópicos, encontrou o sapinho nas folhas de uma bromélia, planta capaz de reter umidade, ideal para abrigar anfíbios em épocas de seca.

 

Os hábitos do sapo, que ganhou o nome científico de Crossodactylodes itambe, ainda estão sendo estudados. A espécie foi registrada até agora numa área de apenas 0,1 km², o que pode indicar ameaça de extinção. O habitat restrito onde vive (acima de 1.800 m) fez com que os pesquisadores levantassem a hipótese de que sua distribuição esteja relacionada a variáveis climáticas, o que o torna um caso importante de estudo sobre mudanças ambientais.